31 agosto 2016

Adeus ao fotógrafo Marc Riboud

Despedida de um dos primeiros membros da Agência Magnum, Marc Riboud.


É com grande tristeza que anunciamos que um dos primeiros membros da Magnum, Marc Riboud , faleceu ontem, terça-feira(30/08/2016) aos 93 anos, após uma longa doença.

Nascido em 1923 em Saint-Genis-Laval, perto de Lyon, França, tomou suas primeiras imagens em 1937, na Exposição Universal de Paris, usando uma pequena Vest Pocket Kodak dado a ele por seu pai quando completou 14 anos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Riboud se juntou a Resistência, e depois da guerra, estudou engenharia antes de decidir se tornar um fotógrafo.

Sua fotografia conhecida de um pintor na Torre Eiffel apareceu na revista Life em 1953, sua primeira publicação, o que levou um convite de Henri Cartier-Bresson e Robert Capa para se juntar a Magnum Photos.

A produção de Riboud inclui mais de 30 livros, com sua obra seminal cobrindo a Revolução Cultural na China, Tibete, Japão, mas também alguns dos grandes cenas de rua clássicas e da vida em Paris, bem como suas fotografias icônicas de protestos contra a Guerra do Vietnam em Washington.


Em 1955, ele viajou pela estrada através do Médio Oriente e do Afeganistão para a Índia, onde permaneceu por um ano antes de tomar a decisão de continuar suas viagens para o leste, de Calcutá para a China, que ele revisitou várias vezes. Finalmente, chegou ao Japão, ele iniciou o trabalho em seu primeiro livro,  As mulheres do Japão.

Na década de 1960, ele cobriu a URSS, as guerras de independência na Argélia e na África Sub-Sahariana e tanto do Sul e Vietnã do Norte, um dos raros fotógrafos autorizados entrada. Pelos anos 80 e 90, que fazem viagens de regresso para o Oriente e, particularmente, para a China, ele havia compilado uma pesquisa de 30 anos da região.


Colega Magnum Patrick Zachmann, cujo trabalho documentarista na China foi recentemente publicado no So Long, China , lembra:

"Uma imagem vem à mente: a de meu primeiro encontro com Marc em um avião CAAC (a companhia aérea chinesa), que nos trouxe tanto para Pequim. Eu tinha 27 anos, um fotógrafo independente jovens, e esta foi a minha primeira viagem à China. Eu levei um par de imagens no plano e um ocidental, sentando-se em classe econômica, intrigado, me perguntou quem eu era e o que eu estava fazendo. Este foi Marc Riboud. Fiquei impressionado. Nos simpatizamos e ele me deu alguns conselhos úteis para um jovem 'long-nose' chegar em China.'Não fique impaciente com seus interlocutores chineses, mantenha a calma e nunca deixá-los perder de vista.' Foi assim que eu conheci Marc. Muitas vezes eu o vi de novo mais tarde, em Paris, bem como na China. "


O trabalho de Marc Riboud é exibido em todo o mundo, e ele recebeu inúmeros prêmios, incluindo dois prêmios do Overseas Press Club, o Prêmio ICP Infinito e o Prêmio Nadar para o seu livro Into the Orient publicada por Xavier Barral. Ele doou 192 cópias originais feitas entre 1953 e 1977 para o Museu Nacional de Arte Moderna (Centro Georges Pompidou), em Paris.

"A associação de Marc com Magnum tem sido muito bem sucedida. Ele era um fotógrafo fantástico e destaca-se seu trabalho pioneiro na China, que ele visitou pela primeira vez no final dos anos 1950, e continuou a fotografar durante os próximos três décadas. Nossos pensamentos e melhores votos vão para sua família ", disse o Presidente da Magnum Photos, Martin Parr.

Fonte: Magnum Photos.



Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Alem do Olhar - Fotografia. - Powered by Blogger - Traduzido Por: - Templates Para Blogspot