sexta-feira, 7 de maio de 2021

Mostra Sampa.doc 21 com inscrições abertas.

A cidade de São Paulo é o tema da Mostra competitiva SAMPA.DOC 21 está com inscrições abertas e fará exibição no Spcineplay.



Realizada pelo Instituto Via Cultural, a mostra competitiva SAMPA.DOC 21 pretende discutir as possíveis formas de se produzir documentário e de olhar para a cidade hoje. Trazendo as provocações "qual é a cidade que habitamos hoje? quais são seus encantos e seus problemas?" e "como podemos criar uma imagem atual e crítica?", o presente concurso de curtas metragem aceitará filmes e vídeos sobre a cidade de São Paulo, que tenham duração de até 5 minutos e tenham sido produzidos a partir de março de 2020.

A SAMPA.DOC 21 parte da premissa da inventividade e da fluidez entre os gêneros cinematográficos atuais. Portanto, por documentário, a comissão organizadora entende filmes e vídeos da "ordem do real", podendo ser vídeo registro, filmes feitos com aplicativos de mapa, filmes que contenham ou não entrevistas, vídeo carta, documentário clássico e filmes mais experimentais em geral.

A participação é livre para todas as idades e todo tipo de público - realizadores amadores ou profissionais. Portanto, quem está começando agora ou mesmo tenha apenas vídeos simples realizados com celular, não precisa de acanhar. Todo o material recebido será avaliado com o mesmo cuidado.

As inscrições estão abertas até dia 29 de maio e para se inscrever o candidato ou a candidata precisa apenas preencher um formulário disponível no site da Via Cultural, colocando todas as informações sobre o material e o link de acesso ao filme. No site também é possível conferir o regulamento completo.

Fazem parte do júri a atriz e diretora Helena Ignez, a diretora Tata Amaral, a diretora e editora Letícia Bina, o diretor e blogayrinho de favela Valter Rege, o crítico e curador Ewerton Belico, o realizador Renato Ciasca, o ex vice presidente da APAN (Associação de Profissionais do Audiovisual Negro) e sócio da produtora Dandara, Renato Candido.

Serão 21 filmes selecionados para compor a mostra, que vai ao ar a partir de 26 de julho, no Spcineplay.

Além disso, 5 filmes serão premiados nas categorias Melhor Filme, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora e seus proponentes receberão acesso gratuito por 3 meses a todo o catálogo da plataforma Todesplay e um ano de acesso VIP à plataforma de streaming MUBI.

Formulário de inscrição e regulamento disponível aqui


Veja o site da mostra aqui


Fonte:  Instituto Via Cultural

sexta-feira, 30 de abril de 2021

Nova Fotografia 2020, no MIS-SP

Na reabertura dos espaços culturais, o MIS-SP inaugura exposições do projeto Nova fotografia.


O MIS-SP inaugura as seis exposições selecionadas por convocatória pelo Nova Fotografia 2020, projeto que cria um espaço permanente para exposição de fotografias de artistas promissores que se distinguem pela qualidade e inovação de seu trabalho.

Com entrada gratuita e visitação até 01 de agosto de 2021, as 93 fotografias que compõem as exposições trazem, em conjunto, um panorama diversificado da produção atual com temas que abordam desde a experiência particular de uma das artistas que passou um ano desconectada da internet até a diversidade paleontológica e suas representações simbólicas, que apontam para a transitoriedade de nossas vidas.

As exposições contam com o acompanhamento curatorial e textos de André Penteado, Mônica Maia e Ronaldo Entler.


Exposições:


  • Offline, Ana Rovati propõe uma reflexão sobre as relações contemporâneas ditadas pela lógica da hiperconexão a partir de uma performance/experiência na qual a artista deixou de utilizar, durante um ano, uma das ferramentas símbolo de nosso tempo: a internet.
  • Origami, de Ana Clara Muner, retrata o universo singular da avó da artista, que tem um caso muito específico de Parkinson. Ao mesmo tempo que o remédio que ela toma protege-a dos efeitos da doença, altera sua realidade, causando alucinações, que ela denomina "origami''.


  • A fotógrafa Paula Pedrosa, em Nunca enganaremos, retrata paisagens e cenários da região sudeste relacionados à paleontologia, buscando reconhecer rastros e evidências que se conectam aos tempos geológicos pretéritos, como se manifestam no presente e como nos relacionamos com eles. 
  • Em Castelos e ruínas, título emprestado do primeiro álbum de estúdio do rapper carioca BK’, Lucas Sirino apresenta fotografias produzidas ao longo de 2018 e 2019 retratando espaços diversos da paisagem urbana de São Paulo. 
  • Marcelo Schellini, em Tarikh al-Brasil – História do Brasil, em árabe –, apresenta uma pesquisa visual em torno da visibilidade/invisibilidade dos muçulmanos de origem africana na história e na sociedade brasileira, que remonta há mais de quatrocentos anos, quando chegaram por meio do tráfico negreiro e exerceram uma expressiva influência cultural e social. 
  • Em Sombra de vitória, Daniela Torrente convidou, por meio das redes sociais, mães a se deixarem fotografar com seus filhos e filhas em fotos nas quais elas aparecem cobertas. O título da exposição faz referência à Era Vitoriana na Inglaterra (1837-1901), período no qual as fotografias hidden mother (mãe oculta ou escondida) se consolidaram.

Para saber mais sobre os projetos, fotógrafos e curadores:

Nova Fotografia 2020 no MIS.


Sobre o Nova Fotografia

Criado em 2011, o Nova Fotografia é um projeto anual do Museu da Imagem e do Som que busca criar um espaço permanente para exposição de fotografias de artistas promissores que se distinguem pela qualidade e inovação do seu trabalho. A cada ano, seis séries de imagens são escolhidas por meio de convocatória e expostas no Museu. A edição de 2020 conta com o acompanhamento curatorial do artista e autor de diversos livros André Penteado, Mônica Maia, fotógrafa e sócia diretora da DOC Galeria, e do pesquisador, professor e crítico de fotografia Ronaldo Entler.


Fonte: MIS-SP

Nova Fotografia 2020

Data: 01/maio a 01/agosto, 2021
Horário: terça a domingo, das 11h às 17h
Ingressos: Gratuito, retirada de ingresso na bilheteria
Local:
Museu da Imagem e do Som
Av. Europa, 158, Jd. Europa
São Paulo - SP, Brasil
CEP 01449-000

Protocolos de visitação

Neste momento de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, o MIS adaptou seus espaços e exposições e segue todos os protocolos para garantir a segurança dos visitantes. Antes de entrar no MIS, o público terá sua temperatura aferida. O uso de máscara será obrigatório em todos os espaços e durante toda a visita. Não será permitido tirar a máscara em nenhum momento, por exemplo para fotografias/ selfies. Os espaços têm álcool em gel para a higienização das mãos, além de sinalização que indica o sentido de circulação e o distanciamento mínimo de 2m entre as pessoas.




quinta-feira, 22 de abril de 2021

Curso gratuito de fotografia documental.

Projeto de Multiculturas oferece curso gratuito e online sobre fotografia documental.


Como desdobramento do Projeto de Multiculturas: "Açaí, Pérola Negra", acontece a partir deste sábado um curso sobre fotografia documental.

O curso é gratuito sendo ministrado pelo professor Renato Negrão, será realizado em dois encontros online, onde serão abordados temos como: história do fotodocumentarismo; técnicas e processo de trabalho; referências e estudos de casos; linguagem e produção em campo de um trabalho documental; além de uma analise de trabalhos realizados por participantes.

Voltado para fotógrafos amadores, profissionais, simpatizantes e amantes da fotografia em geral, sendo um curso teórico, não há a necessidade de possuir equipamento fotográfico, enfatizando as práticas e a importância da fotografia do documental.

Projeto de Multiculturas: "Açaí, Pérola Negra" conta a história da colheita manual do açaí na floresta, ou seja, sem a destruição da mata. Apoiado pela Lei Aldir Blanc de Rondônia, contemplado no edital Pacaás Novos. è realizado pelos fotógrafos do projeto são: Joilson Arruda e Saulo de Sousa, ambos de Porto VelhoRondônia.

Estão disponíveis 100 vagas, o curso será realizado pela plataforma Zoom e acontecerá no horário de Rondônia (1 hora a menos do que o horário de Braília)

Para se inscrever, preencha a ficha aqui.


Curso de fotografia documental

Como parte do projeto: "Açaí, Pérola Negra, aprovado pela Lei Aldir Blanc, o professor Renato Negrão oferece um curso gratuito para até 100 participantes sobre fotodocumentarismo. Será fornecido certificado de participação no final do curso.

Conteúdo do curso: Breve história do fotodocumentarismo; técnicas e processo de trabalho; referências e estudos de casos; linguagem e produção em campo de um trabalho documental.

Datas do curso: 24/04/2021 - Aula teórica e estudo de casos - das 15h às 17h

                          29/04/2021 - Análise de 10 trabalhos realizados pelos alunos - das 20h às 22h

OBS: O curso é voltado para fotógrafos amadores, profissionais, simpatizantes e amantes da fotografia em geral. Não precisa ter equipamento fotográfico, pois é um curso teórico e acontecerá no horário de Rondônia (1 hora a menos do que o horário de Brasília). Ah, e o curso não é voltado a ensinar você mexer em equipamentos fotográficos, é um curso sobre as práticas e importância da fotografia do documental.




sexta-feira, 16 de abril de 2021

Fotografo brasileiro entre os vencedores do World Press Photo 2021

 O fotógrafo brasileiro Lalo de Almeida é um dos vencedores do  World Press Photo 2021.

Com uma série de imagens intituladas "Pantanal em chamas", o brasileiro Lalo de Almeida ganhou o 1º Prêmio do  World Press Photo 2021, na categoria  Meio Ambiente, Histórias.

As fotografias, publicadas pelo jornal Folha de São Paulo, foram realizadas quando quase um terço da região do Pantanal do Brasil - o maior pântano tropical e pastagens inundadas do mundo, espalhando-se por cerca de 140.000 a 160.000 quilômetros quadrados - foi consumido por incêndios ao longo de 2020.

 De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil, o número foi triplo de incêndios em 2020 em comparação com 2019. Os incêndios no Pantanal tendem a queimar logo abaixo da superfície, alimentados por turfa altamente combustível, o que significa que eles queimam por mais tempo e são mais difíceis de extinguir. O Pantanal, que é reconhecido pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera e é um dos biomas mais importantes do Brasil, está sofrendo a pior seca em quase 50 anos, causando incêndios descontrolados.



Lalo de Almeida (1970) estudou fotografia no Instituto Europeo di Design em Milão, Itália, onde começou a trabalhar como fotojornalista para pequenas agências de notícias diárias. 

Mais tarde, ele cobriu eventos domésticos e internacionais, incluindo a guerra na ex-Iugoslávia. De volta ao Brasil, ingressou no jornal Folha de São Paulo, onde trabalhou por 25 anos na produção de outros projetos documentais, entre eles 'O Homem e a Terra', sobre as populações tradicionais brasileiras e sua relação com o meio ambiente.


Em 2012, Lalo ganhou o XII Prêmio Marc Ferrez, da Fundação Nacional de Artes, com a realização de um projeto sobre os impactos sociais da construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Brasil. 

Seu ensaio sobre as vítimas do zika vírus foi premiado no 2017 World Press Photo Content, Contemporary Issues e o vídeo produzido ganhou o primeiro prêmio no POY Latam na categoria de vídeos curtos. Em 2019, seu projeto 'Amazonian Dystopia' foi finalista do Eugene Smith Grant em Fotografia Humanística.


Conheça melhor o trabalho do fotógrafo Lalo de Almeida 

Fonte: World Press Photo Foundation

World Press Photo 2021

 Anunciados os vencedores do concurso de fotografia de 2021 e do concurso de narrativa digital de 2021.

A World Press Photo Foundation tem o orgulho de apresentar os vencedores do World Press Photo do ano, World Press Photo Story do ano, World Press Photo Interactive do ano e World Press Photo Online Video of the Year.

 Os vencedores da categoria foram anunciados nos canais online da World Press Photo no dia 15 de abril às 15:00 CEST.

“2020 foi um ano difícil e hoje reconhecemos os contadores de histórias visuais que colocam suas vidas em risco para nos apresentar histórias importantes sobre o nosso mundo. As histórias e produções premiadas hoje tocaram o júri por causa dos ângulos pessoais, humanos e esperançosos que os contadores de histórias visuais deram a questões muito difíceis, como a pandemia COVID-19, o conflito Israel-Palestina e os protestos Black Lives Matter após o assassinato de George Floyd ”, disse Joumana El Zein Khoury, diretor executivo da World Press Photo Foundation.


Foto do ano da World Press

O júri independente do Concurso de Fotografia de 2021 selecionou a fotografia de Mads Nissen, The First Embrace, como a foto do ano para a imprensa mundial. Na imagem vencedora, Rosa Luzia Lunardi (85) é abraçada pela enfermeira Adriana Silva da Costa Souza, no lar Viva Bem, São Paulo, Brasil, no dia 5 de agosto de 2020.

Kevin WY Lee, fotógrafo, diretor de criação e membro do júri do 2021 Photo Contest descreve a fotografia vencedora: “Esta imagem icônica do COVID-19 é o memorial do momento mais extraordinário  de nossas vidas, em todos os lugares. Eu li vulnerabilidade, entes queridos, perda e separação, morte, mas, mais importante, também sobrevivência - tudo em uma imagem gráfica. Se você olhar para a imagem por tempo suficiente, verá asas: um símbolo de vôo e esperança. ”

Saiba mais sobre a imagem premiada.

História da World Press Photo do ano

O júri escolheu Habibi de Antonio Faccilongo como o World Press Photo Story of the Year. A série vencedora narra histórias de amor tendo como pano de fundo um dos conflitos contemporâneos mais longos e complicados, a guerra israelense-palestina. A história mostra o impacto do conflito nas famílias palestinas e as dificuldades que enfrentam para preservar seus  direitos reprodutivos e dignidade humana.

Ahmed Najm, diretor administrativo da agência de metrografia e membro do júri do 2021 Photo Contest, diz sobre a história: “A perspectiva fotojornalística do fotógrafo, juntamente com a singularidade da história, criaram uma obra-prima. Esta é uma história da luta humana no século 21: uma história sobre aquelas vozes não ouvidas que podem alcançar o mundo se nós, o júri, agirmos como um meio. Mostra o outro lado do longo conflito contemporâneo entre Israel e Palestina ”.

Saiba mais sobre a história premiada.

Prêmios

Os prêmios World Press Photo do Ano, World Press Photo Story do Ano, World Press Photo Interactive do Ano e World Press Photo Vídeo Online do Ano levam um prêmio em dinheiro de 5.000 euros.

Todos os vencedores são publicados na coleção online da World Press Photo e promovidos nas plataformas da World Press Photo. Eles também estão incluídos na turnê anual da World Press Photo Exhibition e no World Press Photo Yearbook. Além disso, os vencedores são convidados para o World Press Photo Festival 2021, frequentemente são apresentados em publicações importantes e convidados a falar em eventos públicos ao longo do ano.

World Press Photo Festival 2021

Este ano, pela primeira vez, o World Press Photo Festival anual será realizado online, de 15 a 17 de abril de 2021. Veja o programa completo: worldpressphoto.org/festival/2021

World Press Photo Exhibition 2021

As fotografias premiadas são reunidas em uma exposição mundial de um ano que geralmente visita mais de 120 cidades e 50 países e é vista por mais de quatro milhões de pessoas. Todos os anos, estreia no De Nieuwe Kerk, em Amsterdã, na Holanda. Estamos trabalhando em estreita colaboração com nossos parceiros mundiais para monitorar as restrições de COVID-19 para garantir uma visita segura à World Press Photo Exhibition em 2021. Verifique as atualizações no calendário: worldpressphoto.org/calendar

World Press Photo Yearbook 2021

As histórias vencedoras do Concurso de Fotografia são apresentadas em um anuário anual, disponível em seis idiomas: inglês, holandês, francês, alemão, italiano e espanhol. O World Press Photo Yearbook 2021 será publicado e distribuído pela Lannoo Publishers, e pode ser encomendado a partir do final de abril, internacionalmente através da Lannoo ou através da PhotoQ Bookshop: worldpressphoto.org/yearbook

Fonte: World Press Photo Foundation



segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Fotografia de Ansel Adams leiloada por quase 1 milhão de dólares.

Uma das imagens mais reconhecidas do fotógrafo norte americano Ansel Adams foi vendida por um preço recorde de US $ 988.000 durante um leilão.

Ansel Adams- The Grand Tetons and the Snake River, 1942.
Ansel Adams- The Grand Tetons and the Snake River, 1942.


Em novembro passado, a casa de leilões Sotheby’s anunciou seus planos de leiloar uma enorme coleção de fotografias de Ansel Adams , abrangendo quase sete décadas. A coleção, intitulada "A Grand Vision: The David H. Arrington Collection of Ansel Adams Masterworks" , atingiu recentemente um preço de venda total de US $ 6,4 milhões. O lote de destaque foi uma das capturas mais reconhecidas de Adams, intitulada The Grand Tetons and the Snake River, que arrematou $ 988.000 USD.

A impressão em tamanho mural foi inicialmente encomendada para o Departamento do Interior em 1942, que retrata uma vista de Jackson Hole. A peça é considerada apenas uma das 10 imagens em grande escala da obra. 

O número supera o recorde anterior de Adams, estabelecido em junho de 2010, durante a venda da coleção corporativa da Polaroid na Sotheby's. Lá, sua impressão em tamanho mural Clearing Winter Storm, Parque Nacional de Yosemite, disse ter sido impressa nos anos 1950 ou 1960, vendida por US $ 722.500.

Visite o site da Sotheby's para saber mais sobre a coleção e dar uma olhada mais de perto em The Grand Tetons e no Snake River acima.


terça-feira, 1 de dezembro de 2020

O fim da maior feira de imagem do mundo, a Photokina!

Os organizadores da Photokina anunciaram o fim da feira após 70 anos de história.


Após adiar a edição de 2020, para 2022, agora os organizadores bateram o martelo: a Photokina está suspensa indefinidamente.

A Photokina era a maior e mais tradicional feira do setor de imagem no mundo, mas as mudanças impostas pelas novas tecnologias parece que a fizeram se perder pelo caminho, em um momento em que a indústria e o setor de eventos vem sofrendo fortemente, parece que a organização não soube se adaptar.

Como a própria organização declarou: "O que resta são as memórias tremendas - e as imagens de muitas gerações."

Leia o comunicado oficial:


Photokina será suspenso até novo aviso
Após 70 anos, quedas no mercado de imagem forçam um corte rígido

Em vista do declínio ainda maior nos mercados de produtos de imagem, a Koelnmesse decidiu interromper a organização da photokina em sua unidade de Colônia por enquanto. "Infelizmente, no momento, as condições estruturais da indústria não fornecem uma base viável para a feira líder internacional de fotografia, vídeo e imagem", de acordo com Gerald Böse, presidente e diretor executivo da Koelnmesse. “Este corte difícil depois de uma história compartilhada de 70 anos foi muito difícil para nós. A tendência neste setor, com a qual sempre tivemos uma parceria estreita e de confiança, é muito doloroso para testemunharmos. Mas estamos enfrentando a situação com uma decisão clara e honesta contra a continuação deste evento, uma decisão para a qual, infelizmente, não temos alternativa. "

Mesmo antes do início da pandemia do coronavírus, o mercado de imagem já estava sujeito a fortes convulsões, com quedas anuais na casa dos dois dígitos. O ímpeto nessa direção intensificou-se maciçamente em 2020, relatando mais recentemente um declínio na faixa de 50 por cento. Recentemente, esses desenvolvimentos tiveram um efeito profundo na photokina, que - em Colônia desde 1950 - por gerações foi o endereço principal para a indústria de imagem e está classificada entre as marcas mais favoráveis ​​e emocionalmente carregadas no mundo das feiras de negócios.



Desde 2014, a Koelnmesse, junto com a Associação Alemã da Indústria Fotográfica, seguiu as tendências de queda do mercado, respondendo com ajustes ao conceito subjacente da feira, bem como um investimento considerável em novos segmentos de expositores e visitantes. "Essas mudanças no projeto conceitual, junto com uma mudança nos intervalos e nas datas, não melhoraram fundamentalmente a situação do evento", disse Oliver Frese, membro do Conselho de Administração e COO da Koelnmesse. "Embora haja mais fotos tiradas hoje do que nunca, a integração da fotografia e da videografia para smartphones, juntamente com a comunicação baseada em imagens, por exemplo, via mídia social, não foi capaz de amortecer a eliminação de grandes segmentos do mercado clássico. Como resultado , a situação geral não é compatível com os padrões de qualidade da photokina como uma marca de renome mundial que representa a mais alta qualidade e profissionalismo no mercado internacional de imagem. "

A Koelnmesse tomou sua decisão em estreita coordenação com a Associação Alemã da Indústria Fotográfica. Kai Hillebrandt, presidente dessa associação, comentou: "Nossos parceiros em Colônia fizeram tudo ao seu alcance para manter a photokina como a feira comercial líder global. No entanto, um evento realizado em 2022 não poderia ter atendido às expectativas de toda a comunidade de imagem que esses esforços tinham como objetivo servir. É por isso que nós, em nome de nossa associação, estamos nos juntando a eles para dar esse passo lamentavelmente inevitável. Gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para agradecer à equipe em Colônia pelos incríveis 70 anos juntos! "


quinta-feira, 23 de julho de 2020

Nova mirrorless da Nikon

Nikon divulga a Z5, sua câmera mirrorless de quadro completo de nível de entrada.



A Nikon anunciou oficialmente a Z5 , uma nova câmera sem espelho de quadro completo que foi projetada para ser a ferramenta perfeita para “criadores emergentes” e aqueles que pulam nas câmeras sem espelho pela primeira vez.

No coração do Z5 está um sensor CMOS de 24,3 megapixels com um ISO máximo de 51200 (expansível para 102400). Alimentado por um processador de imagem EXPEED 6, a Z5 possui uma velocidade de disparo contínuo de 4,5 qps com AF / AE completo.

A Z5 possui VR de 5 eixos no corpo (Redução de Vibração) que abre a porta para estabilização de imagem ao fotografar com todo o histórico de lentes de montagem F da Nikon (quando emparelhado com o Adaptador de Montagem FTZ.

Para fotógrafos que precisam de tranqüilidade extra em suas fotos, a Z5 oferece dois slots para cartão SD (UHS-II). Você pode gravar em ambos para que um dos cartões sirva de backup (caso o outro falhe), tenha RAW e JPEG capturados separadamente para os dois cartões ou tenha capacidade dupla ao ter um cartão como estouro.

Na parte traseira do Z5, há um LCD inclinável de 3,2 polegadas sensível às entradas de toque, toque, furto e pitada.

Acima da tela, há um visor eletrônico Quad-VGA de 3,6 milhões de pontos que mostra como será a foto resultante ao ajustar a exposição, ISO, balanço de branco e controles criativos.


O foco automático da câmera é feito usando 273 pontos AF no sensor que podem rastrear assuntos em movimento em quase todo o quadro.

Há também AF de detecção de olhos para ajudar a garantir que os olhos de seus assuntos (humanos e animais) sejam nítidos.

No lado do vídeo, o Z5 oferece 4K / 30p (corte de 1,7x) e 1080 / 60p (quadro completo). Também há pico de foco, foco automático de detecção de fase rápida, uma combinação de estabilização de imagem eletrônica e no corpo e captura de imagem durante a gravação de vídeo.

Se você precisar permanecer alimentado por longos períodos de tempo, a Z5 é a primeira câmera Nikon que pode ser constantemente alimentada por sua porta USB, mesmo com um banco de energia USB.

Em termos de construção, a Nikon diz que o Z5 tem a mesma robustez que o Z6 e o ​​Z7. Possui um invólucro em liga de magnésio e vedação contra intempéries com resistência a poeira e gotejamento.

Outras características e especificações incluem uma velocidade máxima do obturador de 1/8000s, modo de fotografia silenciosa, modos criativos automáticos, 20 controles criativos de imagem, fotografia com deslocamento de foco, modo de exposição múltipla (com sobreposição de imagem na câmera), um temporizador de intervalo, modo lapso de tempo da câmera, sapata, capacidade da webcam, compatibilidade SnapBridge para transferência / compartilhamento sem fio e conectividade Wi-Fi / Bluetooth.


A nova Nikon Z5 estará disponível em agosto de 2020 com um preço apenas para o corpo de US $ 1.400 . Também estará disponível com um novo NIKKOR Z 24-50mm f / 4-6.3 por US $ 1.700 ou um NIKKOR Z 24-200mm f / 4-6.3 VR por US $ 2.200 .


Fonte: PetaPixel

segunda-feira, 20 de julho de 2020

O fim da linha de câmeras 5D da Canon?

Rumores dizem que a Canon irá descontinuar sua popular e pioneira linha de câmeras 5D.


Se você ama a DSLR Canon 5D Mark IV e está esperando o anúncio de seu sucessor, prepare-se para uma grande decepção: a Canon decidiu declarar descontinuar sua popular e pioneira linha de câmeras 5D.

A Canon estava, em outubro de 2019 , trabalhando com a 5D Mark V para um lançamento até o final de 2020. Mas com um grande impulso em direção a câmeras sem espelho e a indústria lutando contra a devastação econômica causada pela pandemia de COVID-19 , parece que a câmera foi apagada do roteiro da Canon.

Canon Rumors  ouviu de uma fonte confiável que não vai não ser uma Canon 5D Mark V e que não haverá nenhum sucessor direto para a Canon 5D Mark IV.

"Disseram-me que a série EOS 5D está seguindo o caminho da série EOS 7D ", escreve Craig Blair, da Canon Rumors . “A fonte alega que o desenvolvimento da EOS 5D Mark V foi interrompido 'há algum tempo' […]”

Dado que ainda existem alguns fotógrafos que preferem DSLRs em vez de câmeras sem espelho por um motivo ou outro, a Canon pode estar trabalhando em uma câmera DSLR não-5D que pode satisfazer essa base de clientes cada vez menor.

"A fonte suspeita que existe algum tipo de desenvolvimento para agradar esses usuários, mas não sabia exatamente o que era", escreve Blair.

A Canon 5D original foi anunciada em 2005 e foi a primeira DSLR de tamanho 35mm (fullframe) com um tamanho padrão de DSLR (em oposição ao fator de forma de pega dupla da linha 1D). Em 2008, a Canon anunciou a Canon 5D Mark II, que causou um grande impacto como a primeira câmera Canon EOS a oferecer recursos de gravação de vídeo.

Depois de anos ignorando as câmeras mirrorless de quadro inteiro, enquanto a Sony dominava o nicho emergente, a Canon finalmente apresentou a EOS R em 2018 . Desde então, ele voltou sua atenção para conquistar o mercado sem espelho - a Canon concentrou todos os seus esforços de lente na RF em vez da EF em 2019 , e a empresa chegou a dizer em janeiro de 2020 que havia terminado o desenvolvimento de novas lentes EF , a menos que o mercado exigiu mais.


“Mesmo que eles anunciassem uma 5D Mark V hoje, seria praticamente 2021 quando chegasse às mãos da maioria dos fotógrafos que pretendiam atualizar”, escreve Alex Cooke, da Fstoppers , “e considerando a vida útil média de um corpo, que nos coloca em 2025-2027, quando esses fotógrafos estarão prontos para atualizar.

“Duvido que a Canon queira esperar tanto tempo para empurrar grande parte de sua base profissional em direção ao mirrorless quando estiver investindo tanto na linha de RF.”

Uma coisa é certa: porém, em apenas 15 anos e 4 gerações, a linha 5D já fez uma grande marca na história e evolução das câmeras.


Fonte: PetaPixel.

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Canon lança duas câmeras mirrorless.

Canon aposta no sistema mirrorless, lançando a EOS R5 e EOS R6, ambas com sensor 35mm.




Após alguns vazamentos bastante significativos nos últimos dois meses, a Canon divulgou oficialmente as tão esperadas EOS R5 e EOS R6: duas câmeras full-frame que formarão a espinha dorsal da linha mirrorless da empresa, embora nenhuma substitua "oficialmente" a original EOS R.

O anúncio foi feito durante uma transmissão ao vivo e confirma tudo o que ouvimos dos vazamentos, além de alguns boatos interessantes, como uma nova versão do Dual Pixel AF, uma bateria de maior capacidade e muito mais.


Canon EOS R5

A EOS R5 é o equivalente sem espelho da série 5 para a Canon e, como tal, deve ser incrível para fotos e vídeos.

O principal é um sensor CMOS de 45MP fabricado pela Canon e o processador Digic X da 1DX Mark III, que juntos permitem à EOS R5 capturar vídeo RAW 8K em até 30p, 10 bits 4: 2: 2: 4K em até 120p e imagens em resolução máxima de até 20fps com o obturador eletrônico ou 12fps com o obturador mecânico - tudo internamente, sem limitações de corte ou foco. A gravação RAW não está disponível nos modos 4K, até onde sabemos.

Por falar em foco, a EOS R5 apresenta o novo “Dual Pixel CMOS AF II” da Canon, que oferece 100% de cobertura da área de foco composta por 1.053 zonas AF selecionadas automaticamente. O sistema possui novos algoritmos de rastreamento de AF de aprendizado de máquina que, juntamente com o novo sensor e o processador Digic X mais rápido, prometem excelente desempenho, seja você selecionando o foco manualmente ou usando a detecção de cabeça e olhos - que agora também suporta cães, gatos e pássaros.

A EOS R5 também traz estabilização de imagem no corpo (IBIS) de 5 eixos a uma câmera Canon pela primeira vez. Construído para trabalhar em conjunto com a estabilização na lente encontrada em algumas lentes de montagem RF, o sistema supostamente fornece "até 8 pontos" de correção de vibração.

Finalmente, em termos de design, estamos vendo um EVF OLED de 5,76M pontos com taxa de atualização de 120Hz, um LCD totalmente articulado de 2,1M pontos, slots de cartão duplos (um CFExpress, um UHS-II SD), um microfone porta, fone de ouvido, porta micro HDMI e conectividade Wi-Fi e Bluetooth incorporadas, tudo dentro de um corpo resistente a intempéries, gotejamentos e poeira "a par da série EOS 5D".

A EOS R5 está disponível para pré-encomenda no momento e começará a ser entregue no final de julho. Segundo rumores, o preço é incrivelmente atraente: o corpo só vai custar US $ 3.900 , ou você pode comprá-lo em um kit com a lente RF 24-105 mm f / 4L IS USM por US $ 5.000 . Para saber mais ou se você deseja encomendar o seu, acesse o site da Canon ou visite seu revendedor on-line favorito .

Canon EOS R6

Conforme os vazamentos indicados, a EOS R6 baseia-se no sensor CMOS de 20,1MP da 1D X Mark III e no mesmo processador Digic X encontrado na EOS R5 e 1D X. Isso permite que a R6 grave 10: 4: 2: 2 Vídeo em 4K de até 60p, câmera lenta 1080 / 120p e fotos estáticas a 20fps usando o obturador eletrônico ou 12fps usando o obturador mecânico - novamente, tudo internamente, sem qualquer tipo de corte ou limitações de foco.

Não há captura de vídeo RAW na EOS R6, mas os fotógrafos têm o mesmo "Dual Pixel CMOS AF II" e o mesmo sistema IBIS da EOS R5, além de uma nova bateria LP-E6NH com maior capacidade (também encontrada em o R5).

Finalmente, como esperado, a EOS R6 é um pouco mais simplificada em termos de design: não há LCD superior, o visor OLED tem resolução ligeiramente mais baixa (3,69M pontos) e o LCD totalmente articulado na parte traseira também é um pouco resolução mais baixa em apenas 1,62M pontos. Você ainda obtém dois slots de cartão (ambos UHS-II SD), uma porta de microfone, fone de ouvido, uma porta micro HDMI e conectividade WiFi e Bluetooth incorporada para controle sem fio ou transferência de imagem, e a câmera é “clima, gotejamento e poeira vedação a par da série EOS 6D. ”

Também há um novo grip de bateria BG-R10 opcional que será compatível com a EOS R5 e a EOS R6, que acomoda duas baterias sendo compatível com as novas baterias LP-E6NH, LP-E6N e LP-E6.

A EOS R6 também está disponível para pré-encomenda no momento, embora não comece a ser entregue até o final de agosto. Como você pode esperar, é um pouco mais barato: o corpo custa apenas US $ 2.500 , ou você pode adquiri-lo em um kit com a RF 24-105mm f / 4-7.1 IS STM por US $ 2.900 , ou o mais caro 24- 105mm f / 4L IS USM por US $ 3.600 .


Fonte: PetaPixel
 
Copyright © 2014 Alem do Olhar - Fotografia. - Powered by Blogger - Traduzido Por: - Templates Para Blogspot