12 agosto 2016

Exposição: About Woman

Coletiva com 19 fotógrafas brasileiras acontecerá em Juiz de Fora, MG, durante o festival JF Foto 16.


De 12 de agosto a 12 de outubro de 2016, acontecerá em Juiz de Fora, MG, o JF Foto 16. Um dos maiores festivais de fotografia do Brasil, com várias exposições, oficinas, encontro com artistas, entre outras atividades para os amantes da fotografia. Entre as mostras que poderão ser vista no evento, está a coletiva “About Woman”, com 19 fotógrafas brasileiras que desde início de 2016 tem mostrado suas obras em exposições no Brasil e exterior.


A ideia de reunir em uma produção artística o trabalho de fotógrafas brasileiras para ser exposto no Oriente Médio e no Brasil, vem de encontro com a possibilidade de tratar de temas complexos, abordados pelo olhar da mulher. A maneira como cada uma escolheu se aproximar de questões pessoais e transformar em um ensaio fotográfico, é um capítulo a parte da fotografia contemporânea, onde as artistas escolhem, como processo de trabalho, temas como: maternidade; solidão, relação com a mãe; relação com o avô; vida doméstica; o passado, memória familiar; relação com o sonho de infância; liberdade; aprisionamento e violência contra a mulher.


Não cabe aqui um juízo de valores sobre as diferenças entre gênero, é apenas um projeto que pretende unir mulheres que usam a fotografia como forma de expressão e comunicação com o mundo. São 19 fotógrafas brasileiras e a curadoria é da artista visual Ivana Panizzi, que vive em Amã, na Jordânia. O projeto tem o apoio da embaixada do Brasil naquele país. Com o objetivo de unir duas nações distantes, mas com questões parecidas sobre o universo feminino.


A exposição coletiva aconteceu em janeiro na Jordânia e em março em São Paulo. A Galeria em Amã é de propriedade de Linda Al-Khoury, uma das organizadores do Festival da Imagem da Jordânia, uma importante incentivadora das artes naquele país e defensora dos direitos das mulheres em uma sociedade predominantemente machista.


No Brasil, a mostra abriu em 08 de março, como parte das comemorações do dia internacional da mulher. O projeto é uma iniciativa do fotógrafo e professor da Escola Panamericana de Artes, Renato Negrão, que tem estimulado projetos que unem os países do Oriente Médio e o Brasil.
Curadoria - Ivana Panizzi

Fotógrafas: Alessandra Yoradjian; Aline Baía; Ana Rodrigues; Camila Gil; Carol França; Eli Criva; Giselle Bohnen; Giuliana Camargo; Hérika Bauer; Isa Godoy; Juliana Silvestre; Karina Ammar; Luka Fernandez; Marcela Marchini; Mônica Assan; Mari Cürry; Sandra Audujas; Valérie Mesquita e Vanessa Dutra.


30 julho 2016

Exposição: O que Vem com a Aurora.

 Exposição busca um ambiente coletivo imaginado a partir da diversidade.


A Casa Triângulo apresenta "O que Vem com a Aurora", exposição coletiva com curadoria de Bernardo Mosqueira que propõe a criação de um novo mundo como gesto político e conceitual. A mostra se debruça nos anseios da sociedade contemporânea, na necessidade de ir além da simples crítica e na vontade de conseguir alcançar formulações que sirvam para orientar as transformações que devemos operar no mundo.

Composta por trabalhos de 20 artistas e um coletivo, onde 60% são mulheres, incluindo nesse conjunto gays, lésbicas, transexuais, negros, índios, velhos e jovens com idade média de 30 anos, a exposição busca um novo amanhã, um ambiente coletivo imaginado a partir de questões feministas, de gênero, raciais, indígenas, coletivas, simbólicas, discursivas, ecológicas, amorosas, sexuais, mágicas, marginais, econômicas e políticas. Na abertura, ocorre performances das artistas Luisa Nóbrega e  Odaraya Mello.

Foto: Elza Lima
Apesar do atual cenário político apocalíptico, a mostra "O que Vem com a Aurora" afirma que também vivenciamos um momento de compartilhamento de imaginações, no qual obras propostivas e afirmativas tentam retratar a construção de um pensamento a partir da visão marginal. Para atestar esse ponto de vista, o curador  reúne artistas que expressam com equilibro e pluralidade seus discursos, pesquisas e resultados em uma exposição quase coletiva, cheia, ruidosa e contaminante.

Participam da mostra os artistas Aleta Valente (Rio), Ana Hupe (Rio, Berlim), Anna Costa e Silva (Rio), Carolina Caycedo (Colombia, Londres), Denise Alves, Rodrigues (SP), Elza Lima (Belém), Luciana Paiva (Brasília), Luisa Nóbrega (SP), Manuela Ribadaneira (Equador, Londres), Marcia Belotti e Luiza Porto (Rio/SP, Lisboa), Vivian Caccuri (SP, Rio), Odaraya Mello (Rio), Ayrson Heráclito (Bahia), Carlos Motta (Colombia, NYC), Daniel Lie (SP), Felipe Meres (SP, NYC), Ivan Grilo (Itatiba), Traplev (Recife), Opavivará (Rio), Guy Veloso (Belém).

Vale destacar a participação dos artistas Carolina Caycedo, Vivian Caccuri, Opavivará e Carlos Motta na 32a Bienal de São Paulo, intitulada "Incerteza Viva", que assim como essa exposição trata da vida em tempos de mudança.
Foto: Guy Veloso


"O que vem com a Aurora"
Curadoria de Bernardo Mosqueira
abertura: 30 de julho das 12 às 19 horas
período da exposição: de 30 julho a 27 de agosto de 2016
local: casa triângulo
endereço: rua estados unidos 1324  são paulo/sp
tel: 11 3167-5621
e-mail: info@casatriangulo.com
site: www.casatriangulo.com
horário de funcionamento: de segunda a sábado das 10 às 19 horas

06 julho 2016

O2 – Desafio Newborn lança nova edição.

Pelo segundo ano consecutivo vem aí o evento que trabalha conhecimento em fotografia,  autoconhecimento, motivação e meditação; uma verdadeira oxigenação de ideias. 


Nos dias 19, 20 e 21 de setembro de 2016 a Editora Photos e a PhotosTV realizam em Balneário Camboriú, Santa Catarina, o congresso O2 – Desafio Newborn com uma grade de palestrantes capaz de abordar todos os temas que permeiam esse universo.

O O2 é um congresso diferente. Focado não apenas no conhecimento em fotografia, ele trabalha também o autoconhecimento, a motivação e a meditação como partes essenciais para um profissional completo. Com o desafio newborn como escolhido para esse ano, os três dias de evento se dividirão em um dia de vivências especiais (entre elas yoga e meditação) e outros dois dias de palestras, com um total de 12h de conteúdo do universo newborn.

Os nomes confirmados são Cristiano Borges, que falará de marketing e vendas; Bel Ferreira trará ao palco um verdadeiro guia de poses newborn; Dani Kmetiuk palestrará sobre tratamento de imagem; Cris Dal Cero, que vai trazer props e composições; Amanda Delaporta que vai te convidar a inovar e surpreender no cenário; a dupla Digachis para falar sobre ensaio na casa do cliente; Gizelle Souto, que agregará seus conhecimentos como fotógrafa e enfermeira; e ainda Aline Budzyn que dividirá conhecimento sobre diagramação de álbuns.


O O2 é uma realização da Editora Photos com selo da PhotosTV, a plataforma de ensino online que pertence à Editora. No ano passado o evento teve 94% de aprovação e reuniu um público animado e apaixonado pela fotografia newborn.

Confira depoimentos dos congressistas de 2015:

Carol Medeiros – Florianópolis – SC
O2 o que dizer? Um do congresso que oxigena as ideias. Com um olhar diferenciado sobre a fotografia, não apenas como meio de ganhar a vida. Participei do primeiro O2 e o que mais somou foi a diversidade de palestras e oficinas sobre o mesmo tema. Não houve repetição nos assuntos, no O2 você da um giro de 360 em imersão de conhecimento. Você interage com seus ídolos e com fotógrafos iniciantes.

A PhotosTV  conseguiu abordar durante três dias um único assunto sem se tornar repetitivo. Quer mergulhar de cabeça na fotografia, quer ir mergulhar mais fundo e descobrir o que tem lá?  Não perca tempo, venha para o O2, aqui a imersão e de corpo, alma e conhecimento. Você sairá com uma nova perspectiva de onde você está e para onde você quer ir, você conseguirá deslumbrar toda a oportunidade que o conhecimento pode lhe dar, você com certeza vera a capacidade de ir além!

Aline Grein - Corbélia – PR
Eu recebi um convite de uma colega fotógrafa e quando vi como seria o congresso já fiquei feliz com a proposta do evento: misturar corpo e mente com o aprendizado. O resultado não poderia ter sido melhor, eu consegui entrar em contato comigo mesma, consegui preparar a minha mente pra receber e absorver aquelas informações todas, foi excelente! Outro ponto muito bom, foi a integração congressistas e palestrantes, assim pudemos nos aproximar e conhecer melhor a pessoa por trás da câmera, além de poder tirar aquelas dúvidas que não deu coragem de perguntar na hora da palestra.

Eu aprendi muito, consegui melhorar muito meu trabalho e ainda ri muito, todo fotógrafo deveria aproveitar essa oportunidade que a PhotosTV proporcionou, então com toda a certeza, em 2016 estarei lá novamente!

Serviço:
Congresso O2 – Desafio Newborn
Dias 19, 20 e 21 de setembro de 2016
Onde: Hotel Mercure – Balneário Camboriú, Santa Catarina
Inscrições e valores: https://photostv.com.br/o2
Ajuda e informações: o2@photostv.com.br

17 junho 2016

Exposição: Parrtificial, de Martin Parr

Maio da Fotografia traz a obra do fotógrafo Martin Parr para o MIS-SP.


Intitulada Parrtificial, e com curadoria de Iatã Cannabrava, a mostra de Martin Parr é composta por 244 fotos e ocupará todo o primeiro andar do MIS. Esta é a maior retrospectiva do artista já realizada na América do Sul. Martin Parr é um dos grandes nomes da fotografia contemporânea, conhecido por projetos fotográficos que capturam a intimidade de forma satírica, principalmente os aspectos da vida moderna, em especial documentando as classes sociais da Inglaterra. Parr realizará uma palestra gratuita na abertura da exposição no dia 18 de junho.


A exposição está dividiva em sete áreas: SELF-PARRTRAIT (composta por autoretratos do fotógrafo e onde os visitantes poderão tirar uma self com um “Martin Parr em tamanho real”), BOOKSHOP (fotolivros de Parr e de sua enorme coleção particular), WE LOVE BRITAIN (trabalhos que satirizam os clichês do estilo de vida britânico), BORED COUPLES (Parr e sua visão dos casais que “perderam o brilho nos olhos”), PARR’S LABYRINTH (Parr observa e tece sua sátira sobre o turismo global e toda a gama de lugares prediletos dos turistas), LIFE’S IS A BEACH (fotografias realizadas nas andanças pelas praias da Europa, América Latina, EUA e México, com seu olhar atento para o comportamento muitas vezes bizarro dos banhistas) e MARTIN’S SQUARE (a sociedade de consumo retratada por Parr em imagens ampliadas no salão nobre do MIS: o Espaço Redondo).

Sobre o artista

Martin Parr é um dos fotógrafos documentais mais famosos de sua geração. Com mais de noventa livros de sua própria autoria publicados, e outros trinta editados por ele, já estabeleceu seu legado fotográfico. Parr também trabalha como curador e editor. Já foi o curador de dois festivais de fotografia – Arles (França), em 2004; e a Bienal de Brighton (Inglaterra), em 2010. Mais recentemente, foi curador da exposição Strange and Familiar [Estranho e familiar], no Barbican, em Londres. Parr é integrante da agência Magnum desde 1994 e, atualmente, ocupa a posição de presidente da associação. Em 2013, foi nomeado professor visitante de fotografia da Universidade de Ulster (Irlanda do Norte). Seu trabalho integra coleções de muitos dos museus mais importantes – da galeria Tate (Londres) ao Centro Pompidou (Paris), passando pelo MoMA (Nova York).


Museu da Imagem e do Som de São Paulo - MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo - SP
Telefone: 55 11 2117 4777
exposição / fotografia
terças a sábados, das 12h às 20h; domingos e feriados, das 11h às 19h
Abertura: 18 de junho, sábado
exposições 1º andar
R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

16 junho 2016

Exposição: “Poemas ao Vento”.

Conjunto Nacional recebe exposição fotográfica coletiva em homenagem aos refugiados Sírios que fogem da guerra Civil.
 
Marcelo dos Santos       

De 17 a 27 de junho de 2016 acontece na galeria do Conjunto Nacional a exposição fotográfica coletiva “Poemas ao Vento”, que reúne o trabalho de 17 fotógrafos que residem em São Paulo, com o objetivo de, através de uma intervenção artística feita na praia de Bodrum Turquia, prestar uma homenagem a questão dos refugiados Sírios que fogem da guerra Civil que assola o país.

As fotografias expostas na Avenida Paulista, foram levadas para Turquia, pelo curador Renato Negrão, e fotografadas no mesmo lugar onde o corpo do garoto de 4 anos, Alan Kurdi, foi encontrado no final de 2015. Juntamente com seu irmão e mãe, ele foi vítima de um dos inúmeros naufrágios de refugiados que tentam entrar na Europa, em busca de uma vida melhor.

Ricardo Thome

Os fotógrafos: Anderson Coimbra; Danilo Guerra; Giancarlo Ceccon; Giseli Marquezini; Giselle Bohnen; Giuliana Camargo; Karina Ammar; Marcela Marchini; Marcelo dos Santos; Máximo Hernández; Monica Assan; Paola Geoffroy; Ricardo Abreu; Ricardo Thomé; Sandra Audujas; Sandra Carrillo e William Bezerra, a pedido do curador, escolheram em seu acervo cenas que tenham um poder simbólico contrário a tragédia dos refugiados. São imagens que tem como objetivo simbólico levar algo de bom diante de uma história tão triste, usando um trabalho artístico coletivo para resignificar a tragédia. Uma tentativa do grupo de não ficar indiferente ao conflito.

William Bezerra

As fotografias foram impressas em tamanho de 150cm x 100cm e são apresentadas em uma espécie de varal. Elas possuem as marcas das tempestades que aconteceram nos dias em que foram expostas na praia, são sinais das pedras usadas para que não voassem, do vento forte, da chuva, areia e água do mar. Além das fotografias, o público poderá, também, ler alguns depoimentos sobre esta experiência e as fotografias feitas na praia, em Bodrum.




Exposição: “Poemas ao Vento”.
Condomínio Conjunto Nacional
Avenida Paulista, 2073
De 17 a 27 de junho de 2016
Centro Comercial (Piso Térreo)
De segunda a sexta-feira, das 7h às 22h
Sábado, domingo e feriado, das 10h às 22h

Maio da fotografia no MIS-SP acontece em junho.

Tradicional evento de fotografia traz exposições filmes e palestras  ao MIS-SP.


Anualmente, o MIS dedica um espaço na agenda de programação para mostras exclusivamente de fotografias com obras de artistas nacionais e internacionais. Neste ano, a mostra Maio Fotografia no MIS 2016  acontece excepcionalmente nos meses de junho e julho, quando todos os espaços expositivos do Museu serão ocupados por obras de artistas singulares e fundamentais na história da fotografia. André Sturm, diretor executivo e curador geral do MIS, assina a curadoria.

Para esta edição está programada uma mostra do fotógrafo britânico Martin Parr, a maior já realizada na América do Sul. Entre os destaques da programação de 2016 estão uma mostra de Jorge Bodanzky e uma exposição do Acervo MIS sobre o Vale do Ribeira. O Maio Fotografia no MIS ainda conta com a mostra Vertentes: Espaço de dentro, de André Conti, um dos artistas selecionados pelo programa Nova Fotografia 2016.

A programação paralela do Maio Fotografia no MIS traz pela primeira vez ao MIS a Foto Feira Cavalete nos dias 25 e 26 de junho. Realizado pela DOC Galeria, o evento reúne fotógrafos, galerias, editoras, selos independentes, artistas visuais e produtores, e é voltado para quem deseja adquirir fotografia, para quem valoriza a arte, a publicação independente e a troca de informação. Já nos dias 16 e 17 de julho, acontece uma mostra de filmes de Jorge Bodanzky. Em breve, mais informações sobre a programação.



Programação: Abertura da exposição 

Data: 18 de junho (sábado)
Horário: a partir das 12h
Ingresso Entrada gratuita para todas as exposições
  • Palestras
Local Auditório MIS (172 lugares)
Ingresso Gratuito, retirada de senha na recepção do MIS com uma hora de antecedência do início de cada  evento.

13h
Martin Parr (fotógrafo) e Iatã Cannabrava (curador da exposição Parrtificial), intermediada por Daigo Oliva (Editor-adjunto da Ilustrada/Folha de São Paulo, coautor do blog Entretempos da Folha.com).

15h
Jorge Bodanzky (cineasta, fotógrafo, professor), Thyago Nogueira (coordenador da área de fotografia contemporânea do Instituto Moreira Salles, cocurador da exposição No meio do rio, entre as árvores – A Amazônia de Jorge Bodanzky) e David Pennington (nascido em Liverpool e criado em Manaus, Amazonas, é professor de cinema na UNB, trabalhou com Bodanzky na Amazônia por mais de 20 anos)

17h
André Sturm (diretor executivo e curador geral do MIS, cocurador das exposições No meio do rio, entre as árvores – A Amazônia de Jorge Bodanzky e PRIMEIRAS MISSÕES), Patricia Lira (coordenadora do CEMIS/Centro de Memória e Informação do MIS e cocuradora da exposição PRIMEIRAS MISSÕES), João Kulcsár (professor, fotógrafo, Mestre em Artes pela Universidade de Kent, Reino Unido, e coordenador de fotografia do Senac. Esta em fase de finalização de um livro que aborda as principais coleções de fotografia do MIS).
  • Exibição de filmes de Jorge Bodanzky
Local Auditório LABMIS (66 lugares)
Ingresso Gratuito, retirada de senha na recepção do MIS com uma hora de antecedência do início de cada filme.

14h
Iracema - Uma transa amazônica (Dir. Jorge Bodanzky e Orlando Senna, 1974, 90 min, drama, Brasil/Alemanha, cor)
O filme é na realidade um auto-retrato da população da Transamazônica. Retrata realisticamente os problemas da região. Conta a história de uma menina do interior, que vai a Belém com a família para pagar promessa na festa do Sírio Nazaré. O novo meio e as companhias que encontra levam a menina à prostituição. Conhece num cabaré um motorista de caminhão Tião Brasil Grande, negociante de madeira. Influenciada pelas outras prostitutas ela quer ir para os grandes centros (São Paulo e Rio) e pega carona com o motorista. Com Paulo César Pereio (Tião Brasil Grande) e Edna de Cássia (Iracema) nos papéis principais

16h
Terceiro milênio (Dir. Jorge Bodanzky, 1981, 90 min, Brasil, documentário)
O documentário registra a viagem do senador amazonense Evandro Carreira por seu estado em agosto de 1980. A região percorrida é do Alto Solimões, fronteiriça ao Brasil, Peru e Colômbia. Depoimentos de caboclos, de madeireiros, do sertanista Paulo Lucena, de índios brasileiros e peruanos são colhidos desde a cidade de Benjamin Constant até o vilarejo de Cavalo Cocho. No trajeto, revela-se a potencialidade econômica do Amazonas e seus desvios: a corrupção na política indigenista e a presença de fábricas poluidoras às margens do Rio Solimões.

19h
No meio do rio, entre as árvores (Dir. Jorge Bodanzky, 2010, 70 min, Brasil, documentário)
O documentário é resultado de uma expedição ao Alto Solimões, onde foram ministradas oficinas de vídeo, circo e fotografia às comunidades ribeirinhas, dentro de reservas ambientais. O filme é feito por eles, a partir da tecnologia recém aprendida e com a visão “de dentro para fora”, sem intérpretes. Com o conhecimento adquirido, os próprios alunos começam a registrar as suas vidas cotidianas, destacando tanto a beleza natural da região quanto as consequências negativas da exploração econômica dos recursos disponíveis.
  • Visitas ao acervo: 13h30 e 15h30
Em duas turmas (às 13h30 e 15h30), a equipe do Centro de Memória e Informação do MIS (CEMIS) apresenta aos visitantes parte de seu vasto acervo de mais de 200 mil itens, por meio de uma visita guiada.  A visita tem duração de 60 minutos e a entrada é gratuita (20 pessoas por sessão).
  • 12h às 20h - Barracas de comida na área externa

Museu da Imagem e do Som de São Paulo - MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo - SP
Telefone: 55 11 2117 4777
exposição / fotografia
terças a sábados, das 12h às 20h; domingos e feriados, das 11h às 19h
Abertura: 18 de junho, sábado
exposições 1º andar
R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

Fonte: MIS

15 junho 2016

Exposição: Prêmio Brasil Fotografia 2015

Um dos prêmios de fotografia mais tradicionais do país apresenta o resultado de sua 14ª edição, com mostra de 15 artistas apresentando seus trabalhos.


O Espaço Cultural Porto Seguro recebe a exposição Prêmio Brasil Fotografia 2015. A mostra, que esse ano contempla fotografia e instalações multimeios, entra em cartaz no dia 15 de junho, quarta-feira, a partir das 10h, com visitação gratuita.

Com curadoria geral de Cildo Oliveira, o prêmio está em sua 14ª edição e é destinado a fotógrafos brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil.O juri contou com nomes como Ana Beluzzo, Cristiano Mascaro, Lucia Py e Ronaldo Entler.  É a primeira vez que os trabalhos serão expostos no novo Espaço Cultural Porto Seguro, inaugurado em janeiro de 2016. São 15 artistas apresentando seus trabalhos, divididos em 83 obras sobre fotografias e 6 instalações multimeios.

“Nesta edição do prêmio houve um recorte da produção dos dias atuais. Foram abordados os mais diversos enfoques, ressaltando: a cidadania, a questão de gênero, raça, condição socioeconômica e a urbanidade”, comenta o curador geral do prêmio, Cildo Oliveira.

Para Ângela Barbour, diretora executiva do Espaço Cultural Porto Seguro, esses 14 anos consolidaram-no como o principal prêmio de fotografia do Brasil. “Esta edição marca uma nova fase, com uma mostra mais robusta e referenda o desejo da Porto Seguro de ter o evento em seu Espaço Cultural. Estamos preparando uma ação educativa especial, com roteiros dedicados, muitas oficinas e ateliês para que o visitante possa experimentar técnicas e estudos relativos às diversas linguagens que conversam com a fotografia.”

O prêmio contou com cerca de 1.500 inscritos. Do total, 796 participantes das regiões Sul, Sudeste, Norte e Nordeste foram habilitados para participar nas categorias: Ensaio Impresso, Ensaio Multimeios, Bolsa e Revelação.



Os vencedores são:
Prêmio Brasil Fotografia Especial: Evandro Teixeira (RJ)
Prêmio Brasil Fotografia Ensaio Impresso: Luiz Baltar (RJ)
Prêmio Brasil Fotografia Ensaio Multimeios: Marlos Bakker (SP)
Prêmio Brasil Fotografia Bolsa Desenvolvimento de Projeto: Leo Caobelli (RS)
Prêmio Brasil Fotografia Bolsa Desenvolvimento de Projeto: Dirceu Maués (MG)
Prêmio Brasil Fotografia Revelação: Leticia Ranzani (SP)

Diante da qualidade das propostas enviadas, a Comissão concedeu Menção Honrosa a:
Ensaio Multimeios: Thelma Vilas Boas (RJ)
Ensaio Multimeios: Ricardo de Abreu Neves (RS)
Ensaio Impresso: Bárbara Wagner (PE)
Ensaio Impresso: Diego Lajst (SP)
Ensaio Impresso: Edu Simões (SP)
Ensaio Impresso: Ligia Jardim (SP)

Durante esses 14 anos, já foram agraciados mais de 200 fotógrafos, entre eles: Miguel Rio Branco, Rosangela Rennó, J. R. Ripper, Claudio Edinger, Thomaz Farkas, Boris Kossoy, Claudia Andujar. Já se inscreveram, desde 2001, mais de 50 mil pessoas.

Conheça o Prêmio Brasil Fotografia: http://www.premiobrasilfotografia.com.br/





EXPOSIÇÃO DO PRÊMIO BRASIL FOTOGRAFIA 2015
De 15 de junho a 14 de agosto de 2016.
Visitação: de terça a sábado, das 10h às 19h e domingos, das 10h às 17h.
Ingressos: grátis.
Visitas mediadas: de terça a sábado das 10h às 18h. Domingos, das 10h às 16h.
Agendamento: educativo@espacoculturalportoseguro.com.br

ESPAÇO CULTURAL PORTO SEGURO
Alameda Barão de Piracicaba, 610.
Campos Elíseos. São Paulo.
Telefone (11) 3226-7361.

Estacionamento: Alameda Barão de Piracicaba, 634 (sede Porto Seguro) – Até 1h30 gratuito. 1ª, 2ª e 3ª hora adicional R$ 10,00 a hora. A partir da 4ª hora adicional, R$ 5,00 a hora. Segunda a sexta a partir das 17h30 – R$ 20,00 (preço único). Sábados, domingos e feriados – R$ 20,00 (preço único). Cliente Porto Seguro tem 50% de desconto.

Serviço de vans: TRANSPORTE GRATUITO ESTAÇÃO LUZ – COMPLEXO CULTURAL PORTO SEGURO – ESTAÇÃO LUZ.

O Complexo Cultural Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Teatro Porto Seguro e do Espaço Cultural Porto Seguro.
COMO PEGAR: na Estação Luz, na saída Rua José Paulino / Praça da Luz / Pinacoteca. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (11) 3226-7361.

Horário de funcionamento do serviço de vans:
Terça a sábado das 9h à 0h. Domingo das 9h às 22h.
www.espacoculturalportoseguro.com.br


05 maio 2016

Oficinas de fotografia no Sesc-SP.

Atividades fazem parte da programação da exposição "Retrato Popular".


O Sesc Belenzinho promove a exposição “Retrato Popular”, sob curadoria de Rosely Nakagawa, Valeria Laena e Titus Riedl, com abertura agendada para 5 de maio (quinta-feira), às 20h.

A mostra, que segue em cartaz com visitação pública de 6 de maio a 31 de julho de 2016,  reúne obras do acervo do Memorial da Cultura Cearense, como as fotopinturas do Mestre Julio, além de fotografias de Tiago Santana, Tonho Ceará e Luiz Santos.

Na programação, ainda estão previstas oficinas, projeções e a interação do público por meio de autorretratos, com o uso de celulares com câmeras, atualizando o conceito de retrato popular. Para isso, foi especialmente criado um cenário que reproduz o ambiente de uma praça de uma pequena cidade do Nordeste.

Programação integrada à exposição
RETRATO POPULAR - DO VERNÁCULO AO ESPETÁCULO

Cursos

Início das inscrições: dia 5/5 (quinta) pessoalmente, a partir das 14h, no 1º Pavimento. Havendo disponibilidade de vagas, as inscrições seguirão no 1º Pavimento a partir do dia 6/5 [sexta], às 11h. Grátis. Acima de 16 anos.

Aprenda a usar uma câmera Lambe-lambe - com Maurício Sapata
De 10 a 24/5. Terças, das 14h30 às 17h30.

Os participantes terão a oportunidade de entender o funcionamento de uma câmera
lambe-lambe, utilizando-se do processo analógico de revelação fotográfica em preto e
branco para se obter a foto. Será feita também a colorização manual destas imagens.
A câmera lambe-lambe foi muito popular no Brasil no princípio do século XX, pois ela
permitia que a fotografia fosse revelada de forma “instantânea”. Esses fotógrafos
ambulantes eram comumente encontrados em praças públicas e locais turísticos. 15 vagas. Oficina 2. Duração: 3 encontros.

Maurício Sapata é fotógrafo freelancer e atua em pesquisas de processos históricos fotográficos como o cianótipo, goma e papel salgado. Faz parte do Projeto 74Foto no qual ministra oficinas de fotografia pinhole e é colaborador de edição da revista fotográfica BLUR.

Restauração e Colorização Digital de Fotografias Antigas - com Matheus Dacosta
De 11 a 20/05. Quartas e sextas, das 9h30 às 12h30.

Inspirado na fotopintura (fotografias de família em preto e branco, e coloridas manualmente) difundida pela cultura popular no século passado, este curso capacita o aluno a colorir digitalmente, além de restaurar fotografias antigas danificadas pela ação do tempo ou por algum incidente. De forma prática e dinâmica, o aluno trabalhará com softwares livres e terá a oportunidade de restaurar suas fotos pessoais. 20 vagas. Espaço de Tecnologias e Artes. Duração: 4 encontros.

Matheus Dacosta é artista plástico formado pela UNESP, com Licenciatura em Artes Visuais e pós-graduando em Design Digital e Novas Mídias pela Belas Artes. Iniciou seus estudos com o curso de Design Gráfico, e a partir desse momento deu início à sua carreira trabalhando com Comunicação Visual e com Design/Ilustração de embalagens de brinquedos. Trabalhou também como Diretor de Arte em agência de publicidade por mais de 5 anos, e atualmente leciona Computação Gráfica e Fotografia no SENAC-SP e Ilustração Digital na Belas Artes. Hoje, trabalha paralelamente como artista plástico, designer e fotógrafo.

Tenda-Lab fotográfico - com Guilherme Maranhão
De 11 a 20/05. Quartas e sextas, das 19h às 22h.

A proposta dessa atividade é a construção coletiva de um laboratório fotográfico vedado à luz, fácil de montar e desmontar, para uso em processos fotográficos PB e alternativos em ambientes cobertos. Após a atividade, os participantes terão noções de como elaborar o projeto de acordo com o tamanho de tenda-lab desejado, como quantificar e adquirir os materiais necessários para poder construir seu próprio lab individual. A última aula envolve um teste do lab. 20 vagas. Oficina 2. Duração: 4 encontros.

Guilherme Maranhão reside em São Paulo desde 1985. Na fotografia, sua pesquisa está centrada nas alterações do processo de formação de imagens, na subversão das ferramentas produzidas pela indústria e na busca pela irreprodutibilidade mecânica. Realizou exposições individuais no Itaú Cultural (São Paulo), Gallery 44 (Toronto) e no Ateliê da Imagem (Rio de Janeiro). Recebeu o Prêmio Porto Seguro (2007) e o Prêmio Marc Ferrez (2014). Possui obras no acervo do MAM-SP e na Coleção Itaú.

Colorização de fotografias PB - com Maurício Sapata
18/05 a 01/06. Quartas, das 19h às 22h.

Colorização fotográfica é a técnica na qual se aplica cor manualmente sobre uma fotografia em preto e branco ou mesmo colorida (nesse caso pode ser considerado também como retoque fotográfico). Esta técnica utiliza os mais diversos materiais como aquarela, guache, lápis, óleo e outros tipos de pigmentos. Nesta oficina, os participantes terão a oportunidade de experimentar esta técnica sobre uma fotografia impressa em papel fotográfico fibra, com base de gelatina e prata, utilizando diversos tipos de materiais. 20 vagas. Oficina 1. Duração: 3 encontros.

Maurício Sapata  é fotógrafo freelancer e atua em pesquisas de processos históricos fotográficos como o cianótipo, goma e papel salgado. Faz parte do Projeto 74Foto no qual ministra oficinas de fotografia pinhole e é colaborador de edição da revista fotográfica BLUR.
Acima de 16 anos.
Grátis

(Re)construção da memória: processos de recuperação de fotografias - com Goma Oficina
Dias 25/05, 1 e3/06. Quartas e sextas, das 10h às 13h.

Pretende-se discutir, em três encontros, os processos de recuperação de fotografias antigas (negativos, positivos e fotos impressas), e o valor da reconstrução de histórias e memórias, além de possíveis aplicações desses processos em fotografias pessoais e familiares. O curso acontecerá em dois momentos, o primeiro com a apresentação de materiais e referências (ensaios, livros, filmes) e, num segundo momento, através de um ateliê aberto com propostas de exercícios práticos. 20 vagas. Espaço de Tecnologias e Artes. Duração: 3 encontros.

Goma Oficina é um grupo de arquitetos e artistas associados que, desde 2009, trabalha e pesquisa linguagens e suas aplicações em projetos. Além de arquitetos, fazem parte da rede de colaboradores e parceiros, fotógrafos, músicos, designers, educadores, entre outros. Alguns dividem o espaço, outros compõem a rede virtual. Essa rede dá vazão à interdisciplinaridade, uma vantagem para a continuidade do aprendizado e da pesquisa, assim como propicia um ambiente de convívio e troca.

Intervenção

Lambe-lambe – QuemVocêPensa queÉ? - com Guilherme Maranhão e Penna Prearo
Dias 07 e 08/05. Sábado e domingo, das 13h às 17h.

A propostaé inspirada no ofício comercial do fotógrafo de rua conhecido tradicionalmente como lambe-lambe no Brasil ou fotógrafo “a la minuta” em Portugal. Essa atividade prevê a realização de um trabalho fotográfico in loco e em público do Sesc Belenzinho pelos artistas Guilherme Maranhão e Penna Prearo.

A ideia é utilizar uma câmara lambe-lambe analógica e fotografar grupos de pessoas nas áreas comuns da unidade. As pessoas poderão acompanhar o processamento da imagem e os negativos vão ficar num varal no local. “Quem Você Pensa que É?” é resultado de uma pesquisa pessoal de Penna Prearo realizada desde 2001, na qual o artista pede aos seus retratados que vistam um saco de papel abrindo mão da sua identidade. Lambe-lambe é resultado de uma pesquisa pessoal de Guilherme Maranhão realizada desde 1995, na qual o artista investiga o funcionamento e a operação das câmaras de retrato de rua. Na praça.
Livre
Grátis

Retrato Lambe-lambe na Praça - com Maurício Sapata
De 14 a 22/05. Sábados e domingos, das 13h às 17h. No dia 21/05, das 13h às 16h.

Oportunidade de entender o funcionamento de uma câmera lambe-lambe, que utiliza o processo analógico de revelação fotográfica em preto e branco para se obter a foto. A câmera lambe-lambe foi muito popular no Brasil no princípio do século XX, pois ela permitia que a fotografia fosse revelada de forma “instantânea”. Esses fotógrafos ambulantes eram comumente encontrados em praças públicas e locais turísticos. Fotógrafos demonstram o processo e revelam a fotografia na hora, explicando aos interessados o procedimento técnico para registro e revelação. Cada demonstração, da captura até a revelação da imagem positiva, dura aproximadamente 15 minutos. Na praça.

Maurício Sapata é fotógrafo freelancer e atua em pesquisas de processos históricos fotográficos como o cianótipo, goma e papel salgado. Construiu uma câmera lambe-lambe e registra retratos com ela pela cidade. Faz parte do Projeto 74Foto no qual ministra oficinas de fotografia pinhole e é colaborador de edição da revista fotográfica BLUR.
Livre
Grátis

Monóculos fotográficos PB -  Memória Familiar - com Roger Sassaki
Dias 26, 27, 28/5, 4 e 05/06. Quinta (feriado), sábados e domingos, das 13h às 18h.

Quem já passou dos 35 anos de idade possivelmente tem alguma foto de infância bem encaixadinha dentro de um pequeno monóculo de plástico. Muito populares nos anos 70, traziam uma experiência intimista de rever uma memória pessoal. Sua caixinha de plástico acabou sendo a grande responsável pela conservação das fotografias por décadas seguintes, protegendo-as em seu interior. Com o declínio da fotografia analógica e dos filmes “cromos” necessários, os monóculos se tornaram raros e pouquíssimo produzidos. São ainda guardados com grande carinho por muitas famílias brasileiras. Nesta atividade, serão feitos monóculos com fotografias PB e o público terá a oportunidade de acompanhar o processo de revelação das fotos e montagem nas caixinhas de monóculos. Com Roger Sassaki. Na praça.

Roger Sassaki é fotojornalista e pesquisador de processos fotográficos. Desenvolve projetos autorais e ministra cursos e oficinas de fotografia, com enfoque em técnicas artesanais analógicas.
Livre
Grátis

Encontro

Bate-papo Retrato Popular – participação de Rosely Nakagawa, Titus Riedl, Valeria Laena e Tiago Santana
Dia 07/05. Sábado, às 17h.

As particularidades da Fotografia Popular no Ceará e a sua transformação a partir do advento da fotografia digital e das interfaces das redes sociais, de 2005 a 2015, fazendo referência aos 10 anos do Encontro de Fotografia Popular realizado no Museu de Cultura Cearense - Dragão do Mar. Após o bate-papo haverá a exibição do filme ‘Câmara Viajante’, de Joe Pimentel. Oficina 3. Retirada de senha com 30 minutos de antecedência no 1o. Pavimento. Vagas limitadas.
Não recomendado para menores de 16.
Grátis

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho – São Paulo (SP)
Mais informações: (11) 2076-9700 ou  www.sescsp.org.br/belenzinho

02 maio 2016

Exposição: “Retrato Popular”

Obras do acervo do Memorial da Cultura Cearense fazem parte da mostra.
 
 Retrato de Tercília da Silva, antes e depois da pintura feita pelo Mestre Julio
Um retrato pode representar uma personalidade, um estilo, a beleza e a religião como parte da cultura de um povo e a representação de pertencimento. É o recorte que pausa o tempo e oferece aos admiradores uma amostra – fictícia ou real – de um momento especial. Para celebrar esse tipo de registro, que serve tanto como um modo de preservação da história e da memória, como também da criação de uma realidade, o Sesc Belenzinho promove a exposição Retrato Popular, que abre no próximo dia 5 de maio e fica em cartaz até 31 de julho.

Sob curadoria de Rosely Nakagawa, Valeria Laena e Titus Riedl, a mostra reúne obras do acervo do Memorial da Cultura Cearense – Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, de Fortaleza (CE), e de colecionadores particulares, que reconstroem a história da fotografia popular, não só por meio de suas imagens, como também pelas câmeras e artifícios utilizados desde o início do século XX.

Fazem parte da exposição coleções de monóculos, ex-votos fotográficos, câmeras de lambe-lambe, os tradicionais cavalinhos e charretes para fotografias de crianças e moldes e retratos pintados por Mestre Julio, um dos maiores nomes da fotopintura brasileira. Alguns materiais do estúdio dele, como antigas fotografias restauradas e moldes que ensinam seus aprendizes a como fazer suas pinturas, também fazem parte da mostra.


Além disso, há também fotografias, gravuras, esculturas em madeira e argila e lonas pintadas por profissionais que se dedicam ao ofício, como Tiago Santana e Tonho Ceará, ambos de Juazeiro do Norte, Luiz Santos, de Recife, e o próprio Mestre Julio, de Fortaleza. Outros registros – de fotografias, muitas de personagens anônimos – fazem parte da coleção de um dos curadores, pesquisador e professor da Universidade Regional do Cariri, Titus Riedl.

A proposta da exposição Retrato Popular é mostrar a importância dessa tradição comum em todo o Brasil, que é considerada um patrimônio da história da fotografia regional e parte relevante do registro de cidadãos de todas as classes sociais. Essa fotografia popular que, ao longo dos anos, tornou-se cada vez mais rara nas feiras e passou a integrar a arte contemporânea, alcançando um status hoje considerado cult.

“A fotografia popularizou o retrato nas camadas sociais que emergiram na Revolução Industrial e se retrataram para se perpetuar como a nova classe ascendente”, diz Rosely. “Até então, apenas os nobres podiam ser retratados por um pintor que cobrava muito caro por seus serviços. Eram retratos que ostentavam a posição social e o poder do retratado por meio de roupas, adereços, objetos ao fundo (cortinas, tapetes, móveis, espelhos, etc.). A partir da descoberta do daguerreótipo, fazer um retrato ficou mais simples, necessitando apenas de uma câmera fotográfica num estúdio com iluminação adequada e um laboratório”, completa.

No Nordeste é ainda muito comum a criação de um novo contexto em torno da pessoa fotografada, que difereda realidade. Mestre Julio é o especialista nisso, que até os anos 90 utilizou tintas para suas obras, mas agora faz uso do Photoshop. Entre os retratos dele que serão exibidos estão o do médico identificado como Dr. Hermínio, que queria ter sido mecânico e pediu para ser retratado junto a alguns carros, usando uniforme e portando algumas ferramentas, e o de um menino que se veste como formando universitário e pede para que a família seja inserida na foto. Há também obras que marcam a questão da hegemonia branca e hierárquica na história brasileira, como a de Tercília da Silva, que pediu para que pintassem seus olhos na cor azul e fosse representada como uma rainha.

            

Tiago Santana é o responsável pelos flagrantes da área de peregrinação em Juazeiro do Norte, enquanto Tonho Ceará e Luiz Santos são coautores de retratos de povos nômades – indígenas, circenses, ciganos, sem-terra. As imagens tanto de Tiago, quanto de Tonho e Luiz são em preto e branco.

“Enquanto montagens visuais, incorporam uma série de arranjos anteriores e posteriores à ‘captura’ da cena em si, convidando-nos a refletir sobre as imbricações entre fato e ficção”, afirma Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo.

Na programação ainda estão previstas oficinas, projeções e a interação do público por meio de autorretratos (as chamadas “selfies”) com o uso de celulares com câmeras, atualizando o conceito de retrato popular. Para isso, foi especialmente criado um cenário que reproduz o ambiente de uma praça de uma pequena cidade do Nordeste.

Também serão promovidos encontros e workshops com a participação dos curadores e fotógrafos participantes da mostra, com exceção de Mestre Julio que, por problemas de saúde, estará impossibilitado de comparecer ao evento.


Exposição Retrato Popular
Local: Galpão do Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho – São Paulo (SP)
Ingresso: entrada gratuita
Abertura: 5 de maio (quinta-feira), às 20h 
Visitação: de 6 de maio a 31 de julho de 2016. 
Horário: de terça a sábado, das 10h às 21h. Domingos e feriados, das 10h às 19h30.
Mais informações: (11) 2076-9700 ou  www.sescsp.org.br/belenzinho

18 abril 2016

Prêmio Pulitzer 2016.

Anunciados os vencedores do Pulitzer 2016.


A Universidade Columbia, em Nova York, anunciou nesta segunda-feira (18) os vencedores do Pulitzer 2016, em sua comemoração de 100ª edição, o prêmio de literatura, jornalismo e artes de maior prestígio nos Estados Unidos.


Neste ano o fotógrafo brasileiro Mauricio Lima, do jornal The New York Times, ganhou juntamente com outros três colegas, o Prêmio Pulitzer 2016 na categoria de fotografia de notícias por sua cobertura sobre a crise dos refugiados, anunciaram os organizadores.


Lima, de 40 anos, que trabalhou como fotógrafo da Agence France-Presse (AFP), foi premiado juntamente com seus colegas Sergey Ponomarev, Tyler Hicks e Daniel Etter, também do New York Times, pela cobertura da crise dos refugiados da Síria, do Iraque e do Afeganistão, que fogem dos conflitos e da violência em seus países rumo à Europa.


Nas categorias de Fotografia contempladas pelo prêmio, os vencedores foram:

Breaking News Fotografia - Mauricio Lima, Sergey Ponomarev, Tyler Hicks e Daniel Etter do The New York Times

Photography Staff of Thomson Reuters

Nas duas categorias, as fotografias premiadas cobrem um tema de destaque na imprensa intranacional no ano de 2015: a crise dos  refugiados do Oriente que rumam para a Europa, confirmando o tema como uma das maiores preocupações da a comunidade internacional na atualidade.


Conheça os vencedores do Pulitzer 2016 e seus trabalhos:





 
Copyright © 2014 Alem do Olhar - Fotografia. - Powered by Blogger - Traduzido Por: - Templates Para Blogspot
Design by FBTemplates | BTT