26 março 2011

A despedida do mestre Thomaz Farkas.

A fotografia brasileira amanheceu mais triste hoje; ontem, 25/03/2011, Thomaz Farkas faleceu aos 86 anos de idade, em sua residência por falência múltipla de órgãos após ter estado 21 dias internado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e ter alta na manhã do mesmo dia.

O fotógrafo Thomaz Farkas 1924-2011.- Mastrangelo Reino - 27.jan.2011/Folhapress

Thomaz Jorge Farkas nasceu em Budapeste, Hungria 1924; ainda criança imigra com a família para o Brasil, em 1930, onde se tornaria um dos maiores nomes da fotografia.

A história de Frakas com a fotografia começa com seu pai, que o presenteou com sua primeira câmera aos 8 anos de idade, ele foi sócio fundador da Fotoptica uma das primeiras lojas de equipamentos fotográficos do Brasil, responsável pela formação de várias gerações de fotógrafos brasileiros; Farkas assumiu a direção da empresa após a morte do pai, nos anos 60, e ficou à frente dos negócios até 1997. Neste período a Revista Fotoptica e a Galeria Fotoptica se tornaram dois pilares fundamentais para a divulgação e o desenvolvimento da fotografia brasileira.


A revista Fotoptica, com imagens de Pedro Martinelli.

Em 1942 associa-se ao Foto Cine Clube Bandeirantes - FCCB , e Influenciado por fotógrafos como Ansel Adams e Edward Weston, Farkas passou a fazer parte do grupo que redefiniu o jeito de se fazer fotografia no país, ao lado de outros grandes nomes da fotografia nacional, como Geraldo de Barros (1923-1998), Chico Albuquerque (1917-2000) e German Lorca.


Desde então Farkas teve grande destaque, no cenário artístico nacional, como fotógrafo, professor, diretor e produtor de cinema. Um momento de destaque em sua carreira foi quando entre 1964 e 1972, realizou o projeto conhecido como Caravana Farkas, uma série de documentários sobre a cultura popular no interior do Brasil. Participaram do projeto Eduardo Escorel, Maurice Capovilla, Geraldo Sarno, entre outros.


Copacabana (Rio de Janeiro, década de 40), Thomaz Farkas.


Farkaz foi o autor de muitas das fotografias que se tornaram referencias imagéticas para gerações de fotógrafos brasileiros; me lembro de algumas de suas imagens vistas como referencia ainda no primeiro curso de fotografia que fiz.

Me lembro também de uma exposição no MIS, quando da comemoração dos 80 anos do fotógrafo; lá estavam algumas destas imagens que foram referencias nos cursos. Durante o período da exposição houve um encontro com o autor, um bate papo descontraido, como parecia ser Farkas, intermediado, se não me falha a memória, por Rosely Nakagawa curadora da exposição.

Neste encontro me lembro de um senhor simpático, de sorriso aparentemente fácil, dizendo que ainda experimentaria esta história de fotografia digital, que para um senhor de 80 anos era uma grande mudança, e que gostava de fotografar seu cão, um vira-latas que tinha ha alguns anos.


Mesmo sendo muito breve, este encontro com Farkas deixou suas marcas, acredito que tenha ocorrido com todos que o conheceram, assim como sua obra deixa suas marcas para a história da arte brasileira e certamente continuará sendo referencia para todos os fotógrafos do país.

Toda perda é irreparável e triste, Thomaz Farkas deixará muita saudades.!


"Telhas", de Thomaz Farkas.

“Fotografia: para mim, é o melhor jeito de aproveitar a vida. Vejam só: é ver, descobrir paisagens, pessoas, caras, grupos, ruas, fachadas, praças – todos trabalhando, brincando, folgando, comendo, dançando. Tudo isso é nossa vida: experiências vividas, olhando – e vendo – sempre, e daí fotografando sem fim com qualquer máquina, técnica ou filme, ou sem. Mas, olhando no visor ou no reflex, tudo é uma visão que não tem fim. Todo dia é diferente: todo olhar é outro e a gente percebe finalmente que o mundo é imenso! É bom ser fotógrafo! Ou como diz o colega português, Fernando Lemos, um mágico militante!” (Thomaz Farkas, em depoimento a Diógenes Moura, curador da Pinacoteca do Estado de São Paulo)


A exposição "Thomaz Farkas: uma antologia pessoal." continua em cartaz, veja aqui, em declaração ao portal IG o coordenador cultural do IMS, Samuel Titan, confirmou que a mostra, cujo encerramento estava marcado para 03 de abril, será estendida por tempo indeterminado.


Leia mais sobre Thomaz Farkas:
Bailarina fotografada por Thomas Farkas em São Paulo nos anos 50.



Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Alem do Olhar - Fotografia. - Powered by Blogger - Traduzido Por: - Templates Para Blogspot